21 de fevereiro de 2011

As quatro leis da Alimentação


Você conhece as quatro leis da alimentação? Ainda não? Pois já está em tempo de conhecê-las e, com isso, tirar melhor proveito de uma dieta balanceada, que supra suas necessidades. Abordamos esse tema em sala de aula e achei interessante trazer para vocês. Uma vida saudável baseia-se num conjunto de fatores que irão contribuir para o bem-estar físico, mental e social de um individuo. Uma dieta saudável é uma importante aliada para quem deseja viver com saúde.

Em 1937, o médico argentino Pedro Escudero elaborou um conjunto de regras simples com a finalidade de orientar as pessoas a fim de que consumissem uma alimentação saudável. Apesar de as chamadas “Leis de Escudero” já terem mais de 70 anos, elas continuam muito atuais e sempre são relembradas quando o assunto é comer bem!



LEI DA QUANTIDADE
Deve ser suficiente para cobrir as exigências energéticas do organismo e manter em equilíbrio o seu balanço. As calorias ingeridas através dos alimentos devem ser suficientes para permitir o cumprimento das atividades de uma pessoa, bem como a manutenção da temperatura corporal. As diferentes atividades determinam as diferentes exigências calóricas. Lembrando que não é uma questão simples de contagem de calorias e sim distribui-las entre os alimentos de função construtora, energética e reguladora.
 




LEI DA QUALIDADE
O regime alimentar deve ser completo em sua composição, para oferecer ao organismo que é uma unidade indivisível todas as substâncias que o integram. A variedade de alimentos fornece todos os nutrientes necessários ao bom funcionamento do seu corpo. Quanto mais coloridas forem as suas refeições, mais diversidade de nutrientes você estará ingerindo. É preciso garantir que os alimentos que servem de fonte energética também tenham boa qualidade nutricional. É o caso das “calorias vazias”, presentes em alimentos que, apesar de serem ricos em energia (calorias), são nutricionalmente pobres por conter, por exemplo, apenas açúcar. Seja exigente!




LEI DA HARMONIA
A quantidade dos diversos nutrientes que integram a alimentação deve guardar uma relação de proporção entre si. O nosso organismo aproveita corretamente os nutrientes quando estes se encontram em proporções adequadas. As substâncias não agem isoladamente, mas em conjunto. Comer somente frutas e verduras, por exemplo, não é sinônimo de uma boa alimentação. É preciso somar todos os alimentos de maneira que possa existir um equilíbrio entre eles para suprir as necessidades nutricionais.
 

 

LEI DA ADEQUAÇÃO
A finalidade da alimentação está subordinada à sua adequação ao organismo. O estado fisiológico (gestação, lactação), hábitos alimentares (deficiência de nutrientes), condições sócio-econômicas (acesso aos alimentos), alterações patológicas (presença de doenças) e os ciclos da vida (crianças, adolescentes, adultos e idosos) fazem com que o organismo tenha necessidades nutricionais diferenciadas, dependendo da situação em que ele se encontra. A alimentação deve ser individualizada e deve respeitar essas características.


Portanto a alimentação deve ser quantitativamente suficiente, qualitativamente completa, além de harmoniosa em seus componentes e adequada à sua finalidade e a quem se destina. Espero que tais leis se apliquem na sua dieta. Até a próxima!

2 comentários:

  1. Bom dia, gostei muito do seu blog e agradeço por ter repassado as ''leis'' da alimentação, vão ser muito uteis aqui em casa, e pra muitas outras pessoas também, é bom saber que alguém ainda sem importa com a alimentação.

    ResponderExcluir
  2. rs muito úteis, mas difíceis de serem levadas a risca!

    ResponderExcluir